sábado, 24 de novembro de 2012

Igreja de São Sebastião

Esta é a igreja na qual fiz minha primeira comunhão.
Igreja de São Sebastião
Bairro do Paiol Grande - São Bento do Sapucaí - SP


Um lugar que permanece na lembrança, na vida e no coração



domingo, 18 de novembro de 2012

Recordando a Primeira Comunhão

   Resolvi revirar lembranças e recordações do meu passado, coisas que a muito tempo não via, lembrancinhas, livros, chaveiros, revistas, meu primeiro brinquedo (alias..o único que ganhei quando criança) etc....
   Revirando encontrei algo que me deixou muito feliz e que até pensava ter perdido, a lembrança da minha primeira comunhão. Veio me a mente a igreja (capela) de São Sebastião (bairro do Paiol Grande em São Bento do Sapucaí-SP), do Pe. Teófilo(falecido), com quem recebi a minha primeira comunhão e posteriormente meu professor de religião(naquela época tinha aula de religião no primário), como eu me vestia, a calça era azul marinho de pernas curtas, camisa branca, sapato não me lembro como era. Veio a lembrança das minhas catequistas, o trajeto que eu tinha que percorrer, naquela época eu tinha que andar 4Km a pé para frequentar a catequese, e na maioria das vezes...descalço, sapato ou tenis era coisa rara, morava na roça. 
   Foi uma das boas recordações da minha infância e o pulso para a minha vida na igreja, agradeço a Deus por este momento.

Lembrança da minha Primeira Comunhão

Primeira Comunhão: José Benedito
Local: Capela de São Sebastião - Paróquia de São Bento
Pároco: Pe. Teófilo de Almeida Crestani
Diocese de Taubaté
Bairro do Paiol Grande - Cidade: São Bento do Sapucaí - SP

   Agradeço a todos os catequistas que me proporcionaram esse momento, único em minha vida, e peço a Deus por todos eles onde quer que estejam, o meu muito obrigado

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Beata Elena Guerra

Beata Elena Guerra – Apóstola do Espírito Santo

    Por Rafael Sousa/30de abril de 2010
        
Elena Guerra nasceu em Lucca (Itália), no dia 23 de Junho de 1835. Viveu e cresceu em um clima familiar profundamente religioso. Durante uma longa enfermidade, se dedica à meditação da Palavra de Deus e ao estudo dos Padres da Igreja, o que determina seu orientamento da vida interior e de seu apostolado; primeiro na Associação das Amigas Espirituais, idealizada por ela mesma para promover entre as jovens a amizade em seu sentido cristão, e depois nas Filhas de Maria.
         Em Abril de 1870, Elena participa de uma peregrinação pascal em Roma juntamente com seu pai, Antônio. Entre outros momentos marcantes, a visita às Catacumbas dos Mártires confirmam nela o desejo pela vida consagrada. Em 24 de Abril, assiste na Basílica de São Pedro a terceira sessão conciliar do Vaticano I, na qual vinha aprovada a Constituição “Dei Filius” sobre a Fé. A visita ao Papa Pio IX a comove de tal maneira que depois de algumas semanas, já em Lucca, no dia 23 de Junho, faz a oferta de toda a sua vida pelo Papa.
         No ano de 1871, depois de uma grande noite escura, seguida de graças místicas particulares, Elena com um grupo de Amigas Espirituais e Filhas de Maria, dá início a uma nova experiência de vida religiosa comunitária, que em 1882 culminará na fundação da Congregação das Irmãs de Santa Zita, dedicada a educação cultural e religiosa da juventude. É neste período que Santa Gemma Galgani se tornará “sua aluna predileta”.
         Em 1886, Elena sente o primeiro apelo interior a trabalhar de alguma forma para divulgar a Devoção ao Espírito Santo na Igreja. Para isto, escreve secretamente muitas vezes ao Papa Leão XIII, exortando-o a convidar “os cristãos modernos” a redescobrirem a vida segundo o Espírito; e o Papa, amavelmente solicitado pela mística Luquese, dirige à toda Igreja alguns documentos, que são como uma introdução a vida segundo o Espírito e que podem ser considerados também como o início do “retorno ao Espírito Santo” dos tempos atuais: A breve “Provida Matris Charitate” de 1895; a Encíclica “Divinum Illud Munus” em 1897 e a carta aos bispos “Ad fovendum in christiano populo”, de 1902.
         Em Outubro de 1897, Elena é recebida em audiência por Leão XIII, que a encoraja a prosseguir o apostolado pela causa do Espírito Santo e autoriza também a sua Congregação a mudar de nome, para melhor qualificar o carisma próprio na Igreja: Oblatas do Espírito Santo.
         Para Elena, a exortação do Papa é uma ordem, e se dedica ainda com maior empenho à causa do Espírito Santo, aprofundando assim, para si e para os outros, o verdadeiro sentido do “retorno ao Espírito Santo”: Será este o mandato da sua Congregação ao mundo.
         Elena, em suas meditações com a Palavra de Deus, é profundamente impressionada e comovida por tudo o que acontece no Cenáculo histórico da Igreja Nascente: Ali, Jesus se oferece como vítima a Deus para a salvação dos homens; ali institui o Sacramento de Amor, a Eucaristia; ali, aparece aos seus discípulos depois da ressurreição e ali, enfim, manda de junto do Pai o Espírito Santo sobre a Igreja Nascente.
         A Igreja é chamada a realizar os Mistérios do Cenáculo, Mistérios permanentes, e, portanto, o Mistério Pascal: A Igreja é, por isto, prolongamento do Cenáculo, e, analogamente, é ela mesma como um Cenáculo Espiritual Permanente.
         É neste Cenáculo do Mistério Pascal, no qual o Senhor Ressuscitado reúne a comunidade sacerdotal real e profética, que também nós, e cada fiél em particular, fomos inseridos pelo Espírito mediante o Batismo e a Crisma, e capacitados a participar da Eucaristia, que é uma assembléia de confirmados, e, portanto, semelhante a primeira comunidade do Cenáculo depois da descida do Espírito Santo. É nesta prospectiva que Elena Guerra concebe e inicia o “Cenáculo Universal” como movimento de oração ao Espírito Santo.
         Elena morreu no dia 11 de Abril de 1914, sábado santo, com o grande desejo no coração de ver “os cristãos modernos” tomando consciência da presença e da ação do Espírito Santo em suas vidas, condição indispensável para um verdadeiro “renovamento da face da terra”.
         Elevada à honra dos altares em 26 de Abril de 1959, justamente o Papa a definiu “Apóstola do Espírito Santo dos tempos modernos”, assim como Santa Maria Madalena foi a apóstola da Ressurreição e Santa Maria Margarida Alacoque a apóstola do Sagrado Coração.
         O carisma profético de Elena é ainda atual, visto que a única necessidade da Igreja e do Mundo é a renovação contínua de um perene e “Novo Pentecostes” que por fim “renove a face da terra”.
Fonte:http://reporterdecristo.com/beata-elena-guerra-apostola-do-espirito-santo/

domingo, 21 de outubro de 2012

Quatro novos santos para a Igreja

Papa canoniza 4 novos santos no Vaticano

Rádio Vaticano

O Papa Bento XVI presidiu, na manhã do dia 12 de Outubro de 2012, na Praça São Pedro, diante da Basílica Vaticana, uma solene celebração Eucarística de Canonização de quatro novos Santos da Igreja: Afonsa da Imaculada Conceição, no civil Ana Muttathupadathu, primeira santa indiana; Maria Bernarda Bütler, suíça, evangelizadora na Colômbia e Equador; Narcisa de Jesús Martillo Morán, equatoriana; e o sacerdote italiano, Caetano Errico.
Estavam presentes na Praça São Pedro numerosos Cardeais, Bispos e Arcebispos, muitos dos quais estão participando, nestes dias, na Sala Paulo VI, no Vaticano, do Sínodo dos Bispos sobre a Palavra de Deus. Participaram da cerimônia também, milhares de fiéis, provenientes de diversos países do mundo, especialmente da Índia, Suíça, Colômbia, Equador e Itália, onde os quatro novos Santos viveram e atuaram.

Homilia

Na homilia que pronunciou em italiano, alemão, espanhol e inglês, Bento XVI recordou inicialmente os quatro novos Santos propostos, hoje, à veneração da Igreja católica. A liturgia no-los apresenta com a imagem evangélica dos convidados que tomam parte do banquete revestidos da veste nupcial. A imagem do banquete, disse o Papa, é uma imagem alegre, porque o banquete acompanha uma festa de núpcias: a Aliança de amor entre Deus e o seu Povo.
Os profetas do Antigo Testamento, explicou o Papa, orientaram constantemente a esperança do Povo de Israel para esta Aliança. Não obstante as provações e todo tipo de dificuldades, Deus jamais abandona o seu Povo. Eis porque o profeta Isaias convida à alegria: "Exultemos, alegremo-nos na sua salvação".
Referindo-se à Liturgia da Palavra de hoje, Bento XVI destacou "a fidelidade de Deus à sua promessa e o banquete nupcial", que nos faz refletir sobre a adesão humana ao convite do Senhor.
A mesma coisa acontece com o Mistério pascal: o poder do mal foi derrotado pela onipotência do amor de Deus. O Senhor ressuscitado convida todos ao banquete da alegria pascal, revestindo os comensais da veste nupcial, símbolo do dom gratuito da graça santificadora. E o Papa acrescentou: A livre adesão do homem deve, porém, responder à generosidade de Deus. Eis o caminho generoso que, justamente, percorreram aqueles que hoje veneramos como Santos. No Batismo, eles receberam a veste nupcial da graça divina, conservaram-na pura, purificaram-na e tornaram-na esplêndida em toda a sua vida, mediante os Sacramentos. Agora, eles tomam parte do banquete nupcial do Céu.
O banquete Eucarístico, disse Bento XVI, é a antecipação da festa final no Céu. O Senhor nos convida à Eucaristia, todos os dias, da qual devemos participar com a veste nupcial da sua graça. Se ela se sujar ou rasgar com o pecado, a bondade de Deus não nos rejeita nem nos abandona ao nosso destino. Pelo contrário, com o sacramento da Reconciliação, ele nos oferece a possibilidade de renovar integralmente a nossa veste nupcial necessária para a festa. E, referindo-se ao novo santo italiano, o Pontífice disse:

Caetano Errico

O ministério da Reconciliação é, portanto, sempre atual. A ele o sacerdote Caetano Errico, fundador da Congregação dos Missionários dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria, se dedicou com diligência, assiduidade e paciência, sem jamais se arrepender nem se poupar. Ele se inscreve assim entre as figuras extraordinárias de presbíteros que, incansáveis, fizeram do confessionário o lugar para dispensar a misericórdia de Deus, ajudando os homens a reencontrar a si mesmos, a lutar contra o pecado e a progredir no caminho da vida espiritual.
A estrada e o confessionário foram os lugares privilegiados da ação pastoral desse novo santo italiano: a estrada lhe permitia encontrar as pessoas; o confessionário possibilitava o seu encontro com a misericórdia do Pai celeste.
Quantas feridas da alma ele sarou! Quantas pessoas ele levou a se reconciliar com Deus mediante o Sacramento do perdão! Assim, São Caetano Errico tornou-se especialista na "ciência" do perdão e a transmitiu a seus missionários.

Maria Bernarda Bütler

A seguir, expressando-se em alemão, o Santo Padre passou a falar da nova santa suíça: Maria Bernarda Bütler, nascida em Auw, no cantão suíço de Aargau, fez muito cedo a experiência de um profundo amor pelo Senhor. Este amor a levou a entrar para o convento das Irmãs Capuchinhas de Maria Auxiliadora, em Altstätten, onde fez os votos religiosos aos 21 anos. Aos 40, acolheu a vocação missionária e partiu para o Equador e, depois, para a Colômbia.
Graças à sua vida e ao seu compromisso em favor do próximo, João Paulo II a beatificou, em 29 de outubro de 1995. Sobre esta santa suíça, Bento XVI prosseguiu ainda, falando em espanhol:
Madre María Bernarda, uma figura muito recordada e querida, sobretudo, na Colômbia, entendeu profundamente que a festa que o Senhor preparou para todos os povos é representada, de modo particular, pela Eucaristia. Nela, o próprio Cristo nos recebe como amigos e se entrega na mesa do pão e da palavra, entrando em íntima comunhão com cada um de nós. Eis a fonte e o pilar da espiritualidade desta nova santa, assim como seu impulso missionário que a levou a deixar a sua pátria natal, a Suíça, para abrir-se a outros horizontes evangelizadores no Equador e Colômbia.

Afonsa da Imaculada Conceição

Dirigindo-se aos fiéis indianos, presentes na Praça São Pedro, para a Canonização da sua primeira santa, Afonsa da Imaculada Conceição, o Pontífice disse em inglês: Esta mulher excepcional, que se dedicou diariamente ao povo da Índia como verdadeira santa, estava ciente de que a Cruz é o autêntico instrumento através do qual se pode participar do banquete celeste, que o Pai lhe preparou. De fato, ela escreveu: "Estou ciente de que um dia o sofrimento terminará".

Narcisa de Jesús Martillo Morán

Enfim, falando novamente em espanhol, o Papa exaltou a figura da jovem leiga do Equador, Narcisa de Jesús Martillo Morán, que também foi escrita hoje no álbum dos Santos. Ela respondeu, com prontidão e generosidade, ao convite do Senhor para participar do seu amor:
Santa Narcisa de Jesus propõe um caminho de perfeição cristã acessível a todos os fiéis. Além de receber graças abundantes e extraordinárias, a sua existência transcorreu com grande sensibilidade, dedicando-se ao trabalho de costureira e ao apostolado como catequista.
Após ter apresentado a figura dos quatro novos Santos da Igreja, o Pontífice convidou os fiéis a seguirem seu exemplo de vida cristã e a darem graças a Deus pelo dom da santidade, que, sobretudo, hoje, resplandece com singular beleza na Igreja.

domingo, 23 de setembro de 2012

Novena e Festa de Nossa Senhora Aparecida

Com a MÃE APARECIDA acolhemos Jesus, nossa alegria

"Com a MÃE APARECIDA acolhemos Jesus, nossa alegria" é o tema da Novena e Festa da Padroeira do Brasil 2012. Com conteúdo produzido especialmente para as comemorações da Festa da Padroeira do Brasil, o livro da Novena serve como instrumento de oração pessoal ou comunitária, para que todos estejam em sintonia com as festividades do Santuário Nacional.

Dia 03/10 (4ª feira)  - 1º Dia - Maria: Alegria de ser a escolhida de Deus!

Dia 04/10 (5ª feira)  - 2º Dia - Maria: Alegria de acreditar no que é de Deus!

Dia 05/10 (6ª feira)  - 3º Dia - Maria: Alegria de ser grávida de Deus!

Dia 06/10 (Sábado)  - 4º Dia - Maria: Alegria de acolher os necessitados de Deus!

Dia 07/10 (domingo) - 5º Dia - Maria: Alegria em Deus libertador!

Dia 08/10 (2ª feira)  - 6º Dia - Maria: Alegria do nascimento de Jesus, o Deus conosco!

Dia 09/10 (3ª feira)  - 7º Dia - Maria: Alegria da entrega e da fidelidade a Deus!

Dia 10/10 (4ª feira)  - 8º Dia - Maria: Alegria de quem busca Deus!

Dia 11/10 (5ª feira)  - 9º Dia - Maria: Alegria de ser discípulo-missionário de Deus!

Dia 12/10 (6ª feira)  - Dia da Festa....

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Rede de oração

   Recebei com muito carinho este selinho da minha querida amiga Sheila do blog "Semeando Catequese". Fiquei muito feliz, este selinho veio me trazer muitas bençãos porque por meio dele vieram também as suas orações. Então, também nessa grande rede de intercessão, vou rezar por mais 5 blogs amigos, que possamos por meio da internet espalhar a Boa Nova:
Catequizando com Jesus (http://www.catequizandocomjesus.com.br/)

Queridos, se puderem passem também para mais 5 blogs amigos, vamos fazer uma grande rede de intercessão.
Deus abençõe a todos.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Vocação







A palavra “vocação” refere-se sempre ao ato de chamar, de escolha e de disposição para algo ou para alguma missão. Pelo Batismo, somos chamados a uma vida cristã como filhos e filhas de Deus. Pelo Batismo, tanto o homem como a mulher, desde cedo, são chamados a uma vida em união com Cristo e sua Igreja. Por este sacramento, passamos a fazer parte do povo de Deus, inseridos na comunidade. Por isso, quando ainda somos criança, pelo exemplo de nossos pais, iniciamos os primeiros passos na vida de fé e aprendemos as primeiras orações: o Pai Nosso, a Ave Maria e outras orações próprias da infância. Neste período, vamos aprendendo sobre Jesus, Maria, o Evangelho e, pela catequese de primeira eucaristia, continuamos a aprender mais e mais. Até que quando jovenzinhos, no período de nossa adolescência, começamos a nos indagar sobre nossa vida. O que faço no mundo? Que rumo tomar na minha vida? Para que a resposta seja consciente é preciso aprofundar mais em Deus e na vida da comunidade. Assim, o jovem vai descobrindo aos poucos sua vocação cristã e, com ajuda da família, das amizades sinceras, do convívio na comunidade, sua vocação vai aflorando, vai se firmando. Já um pouco mais maduros na caminhada cristã, homem e mulher podem optar por um envolvimento amoroso, chegando ao casamento ou escolher outros caminhos: a vida de padre, de irmã religiosa ou leigo solteiro. Pelo Batismo, todos somos chamados à uma vida cristã profundamente comprometida com a causa de Cristo e sua Igreja. Deus nos chama, nos convoca, nos incita a viver uma vida engajada na construção do seu Reino. Há uma só vocação, que vem de Cristo: a vocação à santidade. Jesus convida a segui-lo, cada um da própria situação em que se encontra. Vinde comigo (Mc 1,17). Pede confiança Nele (Mc 2,14). Confiança plena em sua pessoa e não a uma causa. A resposta obediente pode ser vivida deixando lugar de trabalho, de status, a casa, a família. Não se trata só de adesão interna, mas de unir-se a Jesus em seu projeto de vida. Ele chama Doze para estarem com Ele e para enviá-los a pregar o seu Evangelho. O centro da eleição é para que estivessem com Ele. Não é pura adesão intelectual, mas adesão ao seu modo de viver. Os discípulos prolongam a presença e a obra de Jesus. Deus chama através de pessoas, acontecimentos, situações de sofrimento, da oração, de diferentes modos. Não se trata de uma nova vocação, mas a vivência da vocação batismal de maneiras diferentes. O chamado é que é algo original. 


 (Fonte: http://www.verbodivino.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=206:o-que-e-vocacao&catid=66:servico-de-animacao-vocacional&Itemid=67)

sábado, 2 de junho de 2012

As 12 promessas de Jesus à Santa Margarida Maria Alacoque

Nosso Senhor apareceu numerosas vezes a Santa Margarida Maria Alacoque (de 1673 até 1675).
Nessas aparições, Ele fez 12 importantes promessas.

1ª Promessa:“Eu darei aos devotos de meu Coração todas as graças necessárias a seu estado”.

2ª Promessa:“Estabelecerei e conservarei a paz em suas famílias ”.

3ª Promessa:“Eu os consolarei em todas as suas aflições”.

4ª Promessa:“Serei refúgio seguro na vida e principalmente na hora da morte”.

5ª Promessa:“Lançarei bênçãos abundantes sobre os seus trabalhos e empreendimentos”.

6ª Promessa:“Os pecadores encontrarão em meu Coração fonte inesgotável de misericórdias”.

7ª Promessa:“As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas pela prática dessa devoção”.

8ª Promessa:“As almas fervorosas subirão em pouco tempo a uma alta perfeição”.

9ª Promessa:“A minha bênção permanecerá sobre as casas em que se achar exposta e venerada a imagem de meu Sagrado Coração”.

10ª Promessa:“Darei aos sacerdotes que praticarem especialmente essa devoção o poder de tocar os corações mais endurecidos”.

11ª Promessa:“As pessoas que propagarem esta devoção terão o seu nome inscrito para sempre no meu Coração”.

12ª Promessa:“A todos os que comunguem nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, darei a graça da perseverança final e da salvação eterna”.

Sagrado Coração de Jesus


Ensinaram-nos que deveríamos ser bons, corretos, honestos, porque Deus é amigo das pessoas que sabem se comportar, que praticam os Seus mandamentos. Contudo os Evangelhos nos falam algo diferente. Jesus se aproxima e tem um carinho especial pelos pecadores públicos, pelas prostitutas e gosta de se relacionar com outra classe rejeitada pelos perfeitos: os aleijados, os cegos, os leprosos, os mudos, e os paralíticos.
Como resolver essa situação?
Lendo o Evangelho “Mt 11,25-30”, ouvimos Jesus falar que somente ele conhece o Pai. Não são os doutores da Lei e nem os anciãos que sabem o que agrada Deus, mas ele, Jesus, o Filho. São os pequeninos, e não os sábios, que tiveram a revelação do coração de Deus, do que Lhe agrada.
O Pai não quer que seus filhos queridos se sintam oprimidos e menos ainda excluídos de seu Reino de Justiça e de Amor. Ao contrário, Ele deseja que todos sejam incluídos, que ninguém se sinta abandonado.
Em sua homilia na festa de São Pedro e São Paulo em 2011, o Papa Bento XVI tomou como tema a frase de Jo 15, 15 “Já não vos chamo servos, mas amigos”, para desenvolver sua reflexão sobre pastor, ovelha e amizade. Disse o Santo Padre: “A amizade é uma comunhão do pensar e do querer. Conheço os meus e os meus conhecem-Me. Conhece-me de modo muito pessoal. E eu? Conheço-O a Ele?
Se conhecemos Jesus Cristo, sabemos que a amizade com Deus não se obtém pela rígida observância de Seus mandamentos, mas pela observância do espírito dos mandamentos que é a justiça e o amor. Quem ama perdoa, acolhe, não julga, eleva. Vive com Jesus a “comunhão do pensar e do querer”.
Continua o Papa: “ A amizade não é apenas conhecimento; é sobretudo comunhão do querer. Significa que a minha vontade cresce rumo ao ‘sim’ da adesão à vontade d’Ele. Na amizade, a minha vontade, crescendo, une-se à d’Ele: a sua vontade torna-se a minha.”
Na vida da Bem-aventurada Irmã Dulce dos Pobres existe um gesto que sinaliza de modo eloquente sua identificação com Jesus, sua grande amizade com o Senhor. Certa vez Irmã Dulce, como sempre fazia, foi pedir auxílio para os pobres. Ela entrou no recinto de um senhor de posses, estendeu a mão e solicitou a esmola. Esse senhor cuspiu na mão da bem-aventurada, que imediatamente passou a mão no próprio rosto, em seguida a enxugou no hábito e, estendendo uma segunda vez a mão disse: “Isso que o senhor deu foi para mim, e para os pobres, o que o senhor dará?”
Como Jesus, Irmã Dulce se humilhou para socorrer seus queridos pobres. Ela se identificou com o Senhor, seu modo de ser e de agir sinalizou comunhão de querer com o Redentor.
Assim é o Coração de Jesus, assim é o coração daqueles que são seus amigos, que se deixam moldar pelo Seu coração, que vivem na amizade a comunhão do pensar e do querer.
Ao celebrarmos a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, peçamos em uníssono, com toda a Igreja: “Senhor, fazei nosso coração semelhante ao Vosso!”

Cidade do Vaticano - RV

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Cerco de Jericó

   Nos dias 14 ao dia 20 de maio, vai se realizar em minha paróquia o Cerco de Jericó, serão sete dias de intensa oração, sete dias e seis noites em clamor ao Senhor pedindo a quebra da muralhas que nos impede de sermos felizes tanto no espiritual como no material.

   Mas, o que é Cerco de Jericó?

   O Cerco de Jericó nos remete ao antigo testamento, na história do povo de Israel, na conquista da cidade de Jericó. Quando Moisés morreu, Deus escolheu Josué que era discípulo de Moisés, general do exército de Israel, para conduzir o povo eleito à Terra Prometida, Deus ordenou a Josué que atravessasse o Jordão com todo o povo para tomar posse da Terra tão esperada.
   Jericó, cidade murada, tinha se fechado diante dos israelitas, e ninguém saía dela nem podia entrar. O Senhor disse a Josué: Vê, entreguei-te Jericó, seu rei e seus valentes guerreiros. Dai volta à cidade, vós todos, homens de guerra; contornai toda a cidade uma vez. Assim farás durante seis dias. Sete sacerdotes, tocando sete trombetas, irão adiante da arca. No sétimo dia dareis sete vezes volta à cidade, tocando os sacerdotes a trombeta. Quando o som da trombeta for mais forte e ouvirdes a sua voz, todo o povo soltará um grande clamor e a muralha da cidade desabará. Então o povo tomará (de assalto) a cidade, cada um no lugar que lhe ficar defronte. (Josué 6, 1-5). Josué e todo o povo foram obedientes às ordem do Senhor, fizeram tudo o que Ele havia ordenado e quando no sétimo dia, deram sete voltas, durante a sétima volta, ao som das trombetas, todo o povo levantou um grande clamor e pelo poder de Deus as muralhas de Jericó caíram.

 Aqui em nossa paróquia terá a seguinte programação:

 Dia 14/05: segunda feira
Transformados na paciente espera pelo Senhor: Agora é assim que nos convém, cumprir toda a justiça (MT 3, 15)
Tema: Quebrar pela oração a muralha do mal contra a família

 Dia 15/05: terça feira
Todos seremos transformados pela vitória de Nosso Senhor Jesus Cristo (1º Cor. 15, 51-58)
Tema: Quebrar pela oração a muralha das drogas contra a juventude

 Dia 16/05: quarta feira
Transformados pelo servo sofredor: Cristo sofreu por nós (1ºPd 2, 21)
Tema: Quebrar pela oração a muralha do álcool

 Dia 17/05: quinta feira
Transformados pela vitória sobre o mal: Sê vencedor do mal por meio do bem (Rm 12, 21)
Tema: Quebrar pela oração a muralha do desemprego

 Dia 18/05: sexta feira
Transformados pela paz do Senhor Ressuscitado Jesus veio, pôs-se no meio deles e lhes disse: A paz esteja convosco (JO 20, 19)
Tema: quebrar pela oração a muralha da violência

 Dia 19/05: sábado
Transformados pelo amor persistente de Deus: Esta é a vitória, nossa fé (1º Jô 5, 4)
Tema: Quebrar pela oração a muralha da depressão e todas as doenças

 Dia 20/05: domingo (sétimo e ultimo dia)
Transformados pelo Bom Pastor: Apascenta as minhas ovelhas (Jô 21)
Tema: Quebrar pela oração a muralha do mal contra a paróquia.

Você também pode participar independente de onde esteja, escolha um horário, coloque as suas intenções, ore, Deus estará contigo.

Obs: Se quiserem deixe suas intenções no comentário, Deus os abençoe...

Salmo 90

1.     Tu que habitas sob a proteção do Altíssimo, que moras à sombra do Onipotente,       
2.     dize ao Senhor: Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio.       
3.     É ele quem te livrará do laço do caçador, e da peste perniciosa.     
4.     Ele te cobrirá com suas plumas, sob suas asas encontrarás refúgio. Sua fidelidade te será um escudo de proteção.      
5.     Tu não temerás os terrores noturnos, nem a flecha que voa à luz do dia, 
6.     nem a peste que se propaga nas trevas, nem o mal que grassa ao meio-dia.    
7.     Caiam mil homens à tua esquerda e dez mil à tua direita, tu não serás atingido.
8.     Porém verás com teus próprios olhos, contemplarás o castigo dos pecadores,   
9.     porque o Senhor é teu refúgio. Escolheste, por asilo, o Altíssimo.     
10.    Nenhum mal te atingirá, nenhum flagelo chegará à tua tenda,
11.    porque aos seus anjos ele mandou que te guardem em todos os teus caminhos.       
12.    Eles te sustentarão em suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra.   
13.    Sobre serpente e víbora andarás, calcarás aos pés o leão e o dragão.     
14.    Pois que se uniu a mim, eu o livrarei; e o protegerei, pois conhece o meu nome.       
15.    Quando me invocar, eu o atenderei; na tribulação estarei com ele. Hei de livrá-lo e o cobrirei de glória.      
16.    Será favorecido de longos dias, e mostrar-lhe-ei a minha salvação.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Maio, mês de Maria

Não sei se foi de manhã ou foi à noite, que na pequena casa de Nazaré, um anjo apareceu para uma Virgem, a mais bonita e pura jovem de Nazaré, para dizer-lhe que Deus a escolhera para ser a mãe do Salvador. Ela assustou-se por não ser ainda casada e por isto não podia ser – pensava ela – a mãe do nascituro Salvador. Seu nome era Maria, seu noivo José. Naquele dia o Verbo eterno, por quem tudo fôra criado, escondeu-se na clausura virginal daquela jovem, vestiu-se da carne humana e veio salvar a humanidade.
Porque Ela nos deu o Salvador, tornou-se “a Mãe do meu Senhor” (Lc 1, 43) como a chamou Isabel. Deste dia em diante, os que cremos no Evangelho a proclamamos “Mãe de Deus”, a mais alta diginidade a que pode ser exaltada a criatura humana.
Se as mães merecem ter um dia no ano para serem carinhosamente homenageadas – e foi no domingo passado deste mês – a Mãe de Deus, que nos foi dada também por mãe na tarde dolorosa do Calvário, bem merece ser lembrada e homenageada o mês inteiro neste maio, “mês de Maria”.
Seríamos muito pobres e miseráveis, se nos dissabores da nossa caminhada terrena não A tivessemos como mãe protetora e solícita. É só lembrar a cena evangélica das bodas em Caná da Galileia. Por discretíssimo pedido de sua Mãe, Cristo Jesus transformou barris de água em vinho de alta qualidade.
As confidências, que a mente e o coração do sacerdote guardam, relatam as graças do céu tão abundantes, vindas da intercessão de Maria Santíssima em favor das mães que imploram por seus filhos. Esta solicitude da Mãe de Jesus pelos cristãos é descrita de maneira colorida pelos poetas, que têm o carisma de dizer as coisas com graça e beleza. Já Dante, na Divina Comédia, havia advertido a quem quer algo do céu e não recorre a Ela é o mesmo que querer voar sem asas.
Outro poeta, mais perto de nós, com soneto decassílabo, descrevendo “a oração mediadora de Maria” que sobe em especial ao coração de Deus, finaliza: “Estrela da manhã (...) a luz do teu olhar abre clareiras. / E o caminho do céu só tem barreiras / sem as asas da tua intercessão”.
Maio, mês de Maria, é convite para olhar o céu em homenagem à Mãe de Deus. Daí a certeza da proteção divina para nossos passos nesta dificil ascenção a que somos convidados. A razão de nossa confiança filial em Maria é que Jesus, depois de nos ter dado tudo que podia, ainda na cruz nos deu Nossa Senhora!

Dom Benendicto de Ulhoa Vieira
http://www.cnbb.org.br/site/articulistas/dom-benedicto-de-ulhoa-vieira/3318-maio-mes-de-maria


domingo, 29 de abril de 2012

São José Benedito Cotolengo


   Nasceu no dia  3 de Maio de 1786 em  Bra, na região de Piedmont, provícia de Cuneo, no norte da Itália. De uma família da classe média e estudou em um seminário em Turim. Ordenou-se em 1811, foi pároco em Bra e em Corneliano.  Entrou para a Ordem de Corpus Christi em Turim. Foi cânon da Igreja da Trindade em Turim.
   Era o mais velho dos doze filhos de uma família cristã muito piedosa. Ele tinha apenas cinco anos quando sua mãe o viu medindo os quartos da casa com uma vara, para saber quantos doentes pobres caberiam neles. Dizia que quando crescesse queria encher sua casa com esses necessitados, fazendo dela "seu hospital". O episódio foi um gesto profético. Na cidade de Brá, ainda se conserva esta casa.
Com dezessete anos ingressou no seminário e aos vinte e cinco se ordenou sacerdote na diocese de Turim. Seu ministério foi marcado por uma profunda compaixão pelos mais desprotegidos, esperando sempre a hora oportuna para concretizar os ideais de sua vocação.
   Em 1837, padre José Benedito foi chamado para ministrar os sacramentos à uma mulher grávida, vítima de doença fatal. Ela estava morrendo e mesmo assim, os hospitais não a internaram, alegando que não havia leitos disponíveis para os pobres. Ele nada pôde fazer. Entretanto, depois que ela morreu e ter confortado os familiares, o padre se retirou para rezar. Ao terminar as orações, mandou tocar os sinos e avisou a todos os fiéis que era chegada a hora de "ajudar a Providência Divina".
    Alugou uma casa e conseguiu colocar nela leitos e remédios, onde passou a abrigar os doentes marginalizados, trabalhando ele mesmo como enfermeiro e buscando recursos para mantê-la, mas sem abandonar as funções de pároco. Era tão dedicado aos seus fiéis a ponto de rezar uma missa às três horas da madrugada, para que os camponeses pudessem ir para seus campos de trabalho com a palavra do Senhor cravada em seus corações.
   Os políticos da cidade, incomodados com sua atuação, conseguiram fechar a casa. Mas ele não desistiu. Fundou a Congregação religiosa da Pequena Casa da Divina Providência e as Damas da Caridade ou Cotolenguinas, com a finalidade de servir aos pequeninos, aos deficientes e aos doentes. Os fundos deveriam vir apenas das doações e da ajuda das pessoas simples. Padre José Benedito Cottolengo tinha como lema "caridade e confiança": fazer todo o bem possível e confiar sempre em Deus. Comprou uma hospedaria abandonada na periferia da cidade e reabriu com o nome de "Pequena Casa da Divina Providência".
   Diante do Santíssimo Sacramento, padre José Benedito e todos os leigos e religiosos, que se uniram a ele nesta experiência de Deus, buscavam forças para bem servir os doentes desamparados, pois como ele mesmo dizia: "Se soubesses quem são os pobres, os servirias de joelhos!".
   A primeira casa passou a receber todos os tipos de renegados: portadores de doenças contagiosas, físicas e psíquicas, em estado terminal ou não. Ainda hoje abriga quase vinte mil pessoas, servidas por cerca de oitocentas irmãs religiosas e voluntárias. A congregação pode ser encontrada nos cinco continentes, e continua como a primeira: sem receber ajuda do Estado ou de qualquer outra Instituição.
   Ele fundou ainda 14 comunidades para os residentes inclusive as Filhas da Companhia do Bom Samaritano , Os Eremitas do Santo Rosário e os Padres da Santíssima Trindade.
   Faleceu em 30 de abril de 1842  de tifo em Chieri, Itália e foi canonizado por Pio XI, em 1934.
   Sua festa litúrgica ocorre no dia 30 de abril.   

Oração

   Deus, nosso Pai, São José Bento Cottolengo fez-se pobre entre os pobres. E, confiante na Divina Providência, não se apoiava na sua suficiência pessoal ou na segurança material. Com fé inabalável entregou-se de corpo e alma à tarefa de mudar a situação dos desvalidos, dos enfermos e necessitados. Pela fé, operastes mediante São José Cottolengo coisas maravilhosas, e a sua obra permanece até hoje espalhada em todo mundo, como sinal e testemunho vivo de que vós, Senhor, sois um Deus fiel. Senhor, também nós, segundo a missão que a nós confiastes nesta terra, partilhemos a sorte de nossos irmãos necessitados e jamais lhe neguemos a nossa ajuda. É por meio de nós, vossos filhos, que agis no mundo e manifestais o vosso amor no meio dos homens.

Devoção: À caridade e à confiança em Deus
Padroeiro: Dos desanimados

Fontes: http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/36/28/
http://www.asj.org.br/educacao_galeriadossantos.asp?codigo=192
http://www.cademeusanto.com.br/sao_benedito_cottolengo.htm

sábado, 14 de abril de 2012

Festa da Divina Misericórdia

 Um dos elementos mais importantes da devoção à Divina Misericórdia presentes nas revelações de Nosso Senhor à Santa Faustina é a Festa da Misericórdia. No Diário o tema recorrem em 37 números, em 16 dos quais nos deparamos com uma manifestação extraordinária de Jesus a seu respeito. Com efeito, aos 22/02/1931, uma das primeiras revelações de Jesus à Santa Faustina diz respeito à Festa da Misericórdia, que deveria ser celebrada no 2º domingo da Páscoa:

“Eu desejo que haja a Festa da Misericórdia. Quero que essa Imagem, que pintarás com o pincel, seja benzida solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa, e esse domingo deve ser a Festa da Misericórdia” (Diário, 49; cf. 88; 280; 299b; 458; 742; 1048; 1517).

A Festa é uma obra divina, mas Ele quer que Santa Faustina se empenhe tanto em sua implantação (D. 74; 341; 463; 1581; 1680), como em seu incremento: “Na Minha festa, na Festa da Misericórdia, percorrerás o mundo inteiro e trarás as almas que desfalecem à fonte da Minha misericórdia. Eu as curarei e fortalecerei” (D. 206); “Pede ao Meu servo fiel que, nesse dia, fale ao mundo inteiro desta Minha grande misericórdia, que aquele que, nesse dia, se aproximar da Fonte da Vida, alcançará perdão total das culpas e penas” (D. 300a; cf. 1072). Santa Faustina abraça com toda a alma esta causa, pelo que exclama e reza: “Oh! como desejo ardentemente que a Festa da Misericórdia seja conhecida pelas almas!” (D. 505); “Apressai, Senhor, a Festa da Misericórdia, para que as almas conheçam a fonte da Vossa bondade” (D. 1003; cf. 1041). Jesus leva a sério a dedicação de Santa Faustina nesta missão: “Pelos teus ardentes desejos, estou apressando a Festa da Misericórdia...” (D. 1082; cf. 1530), e por isso o demônio procura atrapalhar o seu caminho (D. 1496).

Em 1935, no domingo de encerramento do Jubileu da Redenção, Santa Faustina participa da Eucaristia como se estivesse celebrando a Festa da Misericórdia; Jesus então se lhe manifesta como está na imagem e lhe diz: “Essa Festa saiu do mais íntimo da Minha misericórdia e está aprovada nas profundezas da Minha compaixão. Toda alma que crê e confia na Minha misericórdia irá alcançá-la” (D. 420; cf. 1042; 1073). Sabe, contudo, que talvez não participe em vida da sua celebração, mas nem por isso se desanima: “Eu sou apenas Seu instrumento. Oh! quão ardentemente desejo ver essa Festa da Misericórdia Divina que Deus está exigindo através de mim, mas se for a vontade de Deus e se ela tiver que ser comemorada solenemente apenas depois da minha morte, eu já agora me alegro com ela e já a comemoro interiormente com a permissão do confessor” (D. 711). Chega a tomar conhecimento – por iluminação divina – das disputas que se dão no Vaticano por causa desta Festa (D. 1110; cf. 1463) e dos avanços positivos a seu respeito através do Beato Pe. Sopocko (D. 1254). A Festa propriamente dita seria celebrada no Santuário de Cracóvia-Lagiewniki seis anos após a morte de Santa Faustina (1944).

Fica patente no Diário que existe uma relação muito estreita entre Festa da Misericórdia e veneração do quadro, proclamação da divina misericórdia, confiança nesta divina misericórdia, participação nos sacramentos (Eucaristia e Confissão) e remissão dos pecados (culpas e penas):

“A tua tarefa e obrigação é pedir aqui na Terra a misericórdia para o mundo inteiro. Nenhuma alma terá justificação, enquanto não se dirigir, com confiança, à Minha misericórdia. E é por isso que o primeiro domingo depois da Páscoa deve ser a Festa da Misericórdia. Nesse dia, os sacerdotes devem falar às almas desta Minha grande e insondável misericórdia. Faço-te dispensadora da Minha misericórdia. Diz ao teu confessor que aquela Imagem deve ser exposta na igreja, e não dentro da clausura desse Convento. Por meio dessa Imagem concederei muitas graças às almas; que toda alma tenha, por isso, acesso a ela” (D. 570); “Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Neste dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e das penas. Nesse dia, estão abertas todas as comportas divinas, pelas quais fluem as graças. Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de Mim, ainda que seus pecados sejam como o escarlate. A Minha misericórdia é tão grande que, por toda a eternidade, nenhuma mente, nem humana, nem angélica a aprofundará. Tudo o que existe saiu das entranhas da Minha misericórdia. Toda alma contemplará em relação a Mim, por toda a eternidade, todo o Meu amor e a Minha misericórdia. A Festa da Misericórdia saiu das Minhas entranhas. Desejo que seja celebrada solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa” (D. 699); “Desejo conceder indulgência plenária às almas que se confessarem e receberem a Santa Comunhão na Festa da Minha misericórdia” (D. 1109).

Em 1936 o Senhor lhe pede que esta Festa seja preparada espiritualmente: “O Senhor me disse para rezar o Terço da Misericórdia por nove dias antes da Festa da Misericórdia. Devo começar na Sexta-feira Santa. Através desta novena concederei às almas toda espécie de graças” (D. 796; cf. 1059; 1209). A relevância desta Festa se pode depreender também da seguinte exortação e promessa: “As almas se perdem, apesar da Minha amarga Paixão. Estou lhes dando a última tábua de salvação, isto é, a Festa da Minha Misericórdia. Se não venerarem a Minha misericórdia, perecerão por toda a eternidade” (D. 965; cf. 998).

Não fechemos o nosso coração: ouçamos a voz do Senhor! Caro devoto e apóstolo, não deixe de participar da grande Festa da Divina Misericórdia em nosso Santuário ou onde lhe for mais conveniente! Prepare-se com uma boa confissão, traga o seu quadro e convide os seus parentes e amigos! Eis o tempo da graça, eis o dia da salvação!

(Fonte: http://www.misericordia.org.br)

terça-feira, 3 de abril de 2012

Semana Santa, tempo da misericórdia do Pai...

Semana Santa, tempo da misericórdia do Pai, da ternura do Filho e do amor do Espírito Santo.

Esta semana chama-se Santa porque nos introduz diretamente no mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. Cada um desses acontecimentos tem um conteúdo eminentemente profético e salvífico.
O fiel cristão – verdadeiramente apaixonado por Jesus Cristo – não pode deixar de acompanhar ativamente a Liturgia da Semana Santa. Infelizmente, a maioria dos católicos tem outras preferências na semana mais santa do ano. Não são capazes de “vigiar e orar” uma só hora com Jesus (cf. Mc 14, 37-38).
Nós queremos acompanhar os passos de Cristo e sentir de perto o que vai acontecer a nosso melhor Amigo e Salvador, procurando sentir o que Jesus sentia em seu coração ao se aproximar a Hora decisiva de glorificar o Pai. Ele viveu esses dias com mansidão e serenidade na presença do Pai. Seu coração estava inundado por uma imensa ternura para com todos os filhos e filhas de Deus dispersos.
Mostremo-nos, pois, solidários a Jesus. Passemos esta última semana de sua vida terrena com Ele, num último gesto de amor e amizade, recolhidos em oração fervorosa e contemplação profunda, de modo que a Páscoa do Senhor seja um dia verdadeiramente “novo” para nós.
Ao participarmos da bênção e procissão de ramos, queremos homenagear a Cristo e proclamar publicamente a sua Divina Realeza.
No Evangelho lido na Segunda-feira Santa, contemplamos Maria de Betânia ungindo os pés do Mestre com o perfume do amor e da gratidão. Na Terça-feira, Cristo revela o que se passa no coração de Judas Iscariotes. Na Quarta-feira, Mateus relata Cristo celebrando com os Apóstolos a festa da Páscoa judia e a traição de Judas.
Na Quinta-feira Santa, pela manhã, é celebrada a Missa Crismal. Esta celebração, que o Bispo concelebra com o seu presbitério e dentro da qual consagra o santo crisma e benze os óleos usados no Batismo e na unção dos enfermos, é a manifestação da comunhão dos presbíteros com o seu Bispo.
No período vespertino, inicia-se o Tríduo Sacro. Com a celebração da Missa da Ceia do Senhor (cerimônia do Lava-pés), recordamos a instituição da Eucaristia e do sacerdócio católico, bem como o mandamento do amor com que Cristo nos amou até o fim (cf. Jo 13, 1).
A Sexta-feira Santa é o grande dia de luto para a Igreja. Não há Santa Missa, mas celebração da Paixão do Senhor que consta de três partes: liturgia da Palavra, adoração da Cruz e sagrada Comunhão. Vivamos este dia em clima de silêncio e de extrema gratidão, contemplando a morte de Jesus na cruz por nosso amor.
O Sábado Santo é dia de oração silenciosa e de profunda contemplação junto ao túmulo de Jesus. São horas de solidão e de saudade... É ocasião para acompanharmos Nossa Senhora da Soledade e as santas mulheres junto ao túmulo de Jesus, sentindo com elas a medida do amor que Cristo suscita nos corações que O conhecem de perto.
A Vigília Pascal, “a mãe de todas as vigílias”, na qual a Igreja espera, velando, a Ressurreição de Cristo, compõe-se da liturgia da Luz, da liturgia da Palavra, da liturgia Batismal e da liturgia Eucarística.
A participação no Mistério redentor de Cristo leva-nos a ser – no mundo descrente – testemunhas autênticas da Ressurreição de Cristo. Não podemos retardar o anúncio da ressurreição. Que a alegria de Cristo ressuscitado penetre nosso ser, domine nosso pensamento, tome conta de nossos sentimentos e ações. Precisamos de gente que tenha feito experiência da ressurreição. Existe uma única prova de que Cristo tenha ressuscitado: que as pessoas vivam a Sua vida e se amem com o amor com que Ele nos ama...
Guiados pela luz do círio pascal, e ressuscitados para uma vida nova de fé, esperança e amor, sejamos testemunhas vivas da Ressurreição do Senhor Jesus.
Que a Mãe do Ressuscitado nos aponte o caminho para Jesus Cristo, nosso único Salvador. 
Dom Nelson Westrupp

segunda-feira, 19 de março de 2012

Dia 19 de março, dia de São José

A Igreja faz um culto especial a esse santo, uma veneração, olhando para ele que foi escolhido por Deus para ser pai de Jesus.
Deus quis que ele fosse o pai daquele que seria a salvação do mundo! É muito importante entender que São José é pai de Jesus, assim como Maria é mãe.
São Mateus, em seu Evangelho, mostra como o Altíssimo escolheu José, a dedo, para ser o pai de Cristo.  Esse grande santo ouviu o anjo e recebeu a Santíssima Virgem Maria como sua esposa.
Em 1870, no Concílio Vaticano I, o Papa Pio IX proclamou São José o pai da Igreja Católica.
Qual a argumentação que os teólogos fizeram para isso? Cristo é a cabeça da Igreja, logo, aqueles que geraram essa cabeça são os pais do corpo.
Deus confiou a Igreja a São José lá no céu para que ela fosse protegida.
Por que tantos Papas escreveram encíclicas sobre esse grande santo? Porque ele é pai da Igreja e de cada um de nós.
No dia primeiro de maio temos mais uma comemoração de São José, que também é o patrono dos trabalhadores. São Pedro e São Paulo têm duas festas também, mas isso é raro. Só os santos "gigantes" têm mais de uma comemoração no ano.
Infelizmente, diminuiu bastante na Igreja a devoção a São José. Uma das devoções mais antigas e belas a esse santo é a Coroa das suas Sete Dores e Gozos; após a contemplação de cada dor e gozo, se reza um Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória ao Pai. Saiba quais são:
1 - Dor de pensar em deixar Maria ao vê-la grávida; gozo em receber a mensagem do anjo anunciando que ela estava grávida por obra do Espírito Santo.
2 - Dor de ver Jesus nascer na gruta de Belém; gozo ao vê-Lo adorado pelos anjos, pastores e reis magos.
3 - Dor de derramar o Sangue do Menino Jesus na circuncisão; gozo ao dar-lhe o nome de Jesus.
4 - Dor ao ver a espada de Simeão apresentada a Maria; gozo ao ver Ana e Simeão louvando o Menino.
5 - Dor do desterro para o Egito; gozo ao ver os ídolos caírem dos pedestais quando a Sagrada Família entrou nesse mesmo país.
6 - Dor de não poder voltar para Jerusalém por causa de Arquelau, filho de Herodes; gozo ao voltar para Nazaré.
7 - Dor da perda de Jesus, em Jerusalém, aos 12 anos; gozo ao encontrá-Lo entre os doutores, sendo louvado por eles.
Oração - Ó glorioso Patriarca São José, animado de uma fé viva, chego ao vosso trono de glória, em que firmíssimamente Deus vos colocou pelos méritos de Jesus e de Maria, por vossos especiais méritos e virtudes. Eu vos peço que me alcanceis a graça de livrar-me dos sete pecados capitais, e que fique firme e constante nas virtudes a eles contrárias, e adornado dos sete dons do Espírito Santo, e que ame com fervor a Jesus e a Maria. E para mais obrigar vosso compassivo coração, lembro-vos as sete maiores dores.


 Consagração a SÃO JOSÉ

Glorioso São José, digno de ser entre os santos com especialidade venerado, amado e invocado, pelo primor de vossas virtudes, eminência de vossa glória e poder de vossa intercessão, perante a Santíssima Trindade, perante Jesus, vosso Filho adotivo, e perante Maria, vossa castíssima Esposa, minha Mãe terníssima, tomo-vos hoje por meu advogado junto de ambos, por meu protetor e pai, proponho firmemente nunca me esquecer de Vós, honrar-vos todos os dias que Deus me conceder, e fazer quanto em mim estiver, para inspirar vossa devoção aos que estão a meu encargo. Dignai-vos, vo-lo peço, ó pai do meu coração, conceder-me vossa especial proteção e admitir-me entre vossos mais fervorosos servos. Em todas as minhas ações assisti-me, junto de Jesus e Maria favorecei-me, e na hora da morte não me falteis, por piedade. Amém.


Felipe Aquino / Canção Nova
felipeaquino@cancaonova.com
site: www.cleofas.com.br

segunda-feira, 12 de março de 2012

Ternura...

Ternura, a essência do amor.
A ternura torna a vida mais leve e descomplicada, ela nos ensina a saber esperar.
A vida da gente seria tão mais descomplicada se nela houvesse um pouco mais de ternura. Sim, ternura para se perceber e perceber os outros com a singeleza que é própria de uma folha embalada pelo vento. Ternura para compreender as tristezas sob um ar de aprendizado e acréscimo.
O terno não se permite amargar por decepções. Ele desenvolve a faculdade de enxergar mais longe, indo além da simples experiência para perceber o positivo que se esconde em cada realidade.
A ternura nos ensina a saber esperar, a ter paciência diante de nossa fraqueza e da alheia, aguardando o derradeiro momento no qual a virtude vai verdadeiramente florescer. Muitos relacionamentos acabam por ausência de ternura, em virtude de um fatal descuido nos detalhes. O que os [relacionamentos] encerra não é tanto a ausência do amor, mas do cuidado (ternura).
Existem várias formas de amar, mas, apenas a via da ternura assegura sua (amor) correta percepção. Amor sem ternura é verão sem sol, arte sem beleza, vida sem movimento. O amor precisa de ternura para se encarnar e para se fazer sentir. Muitos pais amam, mas não são compreendidos assim. Por quê? Será ausência de ternura?
É preciso investir na ternura, ela torna a vida mais leve e o amor verdadeiramente perceptível. Ternura no olhar, falar, abraçar; o coração não se desenvolve sem ternura, pois, ela nos transporta à nossa real essência: afinal, viemos à existência por um ato de extrema Ternura. Não tenhamos medo de ser ternos. Isso não nos diminuirá, ao contrário, nos enobrecerá e tornará nossa vida mais feliz e sinceramente acompanhada (quem é terno atrai ternura).
Ternura, simplesmente ternura! Isso, de fato, descomplicará e qualificará cada fragmento de nosso todo. Sem receio e sem protocolos, ousemos e, no concreto de nossa vida.

Pe. Adriano Zandoná
(Missionário Canção Nova)